Caloi 10

Durante muito tempo sonhei em ter uma Caloi 10, dessas antigonas mesmo. Depois sosseguei, pois gosto de ter bikes mais versáteis pra enfiar em qualquer terreno e pedalar com mais conforto. Mas vez ou outra, sempre penso na possibilidade de pedalar uma speed (nunca experimentei!).

Cachorro de roça

Sai super empolgado para uma pedalada faz pouco mais de um mês, no feriado de 21 de abril. Estava animado pra pedalar muito, e levei a câmera pra registrar um pedacinho de estrada de terra e trilha na zona rural, saindo de Sabará rumo a Caeté. Seria meu primeiro registro em terra/trilha com a câmera de capacete.

Resultado: saí atrasado, tive que encurtar o pedal, tinha hora pra voltar e tava uma neblina danada. A neblina entrou no espacinho entre a câmera e a caixa onde ela fica protegida, e com o calor embaçou a imagem. Eu é claro, só descobri quando cheguei em casa e fui ver as imagens. Fiquei fulo da vida, mas antes de deletar os vídeos resolvi editar alguns segundos desse meu pedal “loser“, mais especificamente o momento de meu encontro com o terror de muitos ciclistas.

Senhoras e senhores: com vocês, o cachorro de roça.

P.S. – Acho que mantive bem a calma, pois apesar da neblina não mostrar, percebi o ataque de longe. Sem gritos, pânico ou respiração ofegante. A tentativa de chute (praticamente imperceptível rs) foi provavelmente instinto de proteção.

P.S.2 – Segundo estudiosos da Lei de Murphy aplicada ao ciclismo, alguns cachorros de cidade grande podem eventualmente apresentar tal comportamento (presente em 100% dos cachorros de roça). Afinal, é uma questão de ethos: o cachorro pode sair da roça, mas a roça não sai do cachorro.

Tirando o peso das costas

Estou com uma novidade nas pedaladas já faz mais ou menos uma semana, mas só agora tive tempo de postar as fotos. Comprei um Rack Top Pack da Deuter, que é uma verdadeira mão na roda pras pedaladas e deslocamentos do dia-a-dia.

Sempre que pedalava para o trabalho ia com a mochila nas costas. Podia amarrá-la com ganchos no bagageiro, mas achava um processo muito chato (ficar ajeitando a mochila, os ganchos) para a curta distância (4km) até o trabalho. Preguiça assumida mesmo.

Com o novo equipamento o processo é bem mais simples. Prende fácil com tiras de velcro, e depois que solta vem com uma alça e vira uma bolsa. Parece uma merendeira. Um aluno daqueles bem espirituosos inclusive me perguntou se estava vendendo sanduíches (rs). Se é pra entrar na brincadeira, é uma merendeira high tech: tem dois bolsos laterais, espaço para caramanhola, capa de chuva (e um ótimo sinalizador noturno rs), material de excelente qualidade, enfim… todas essas firulas dos produtos esportivos que eu adoro.

Rack preso no bagageiro: atenção ao detalhe das tiras de velcro

Visto de trás, com a capa de chuva.

E o melhor, é claro… tirar o peso das costas. Como a distância é curta eu encarava com a mochila, mas pedalar com as costas livres de peso é uma maravilha. Nas longas distâncias então nem se fala. Uma pochete pequena ou mesmo uma mochila de hidratação ao longo de duas, três, cinco horas de pedalada vai causando um senhor incômodo.

Na minha opinião, pelo tamanho e capacidade (10 litros), é perfeita para os deslocamentos cotidianos (se você não leva muita coisa para o trabalho, ou tem escaninho, o que é meu caso). Mas também encararia (e pretendo encarar) numa boa pra pedaladas de 2 dias, até 3, se for conjugado com uma bolsa de quadro, de guidão ou uma pochete.

Ficha técnica completa: http://www.deuter.com.br/index.php?cat=produto1&id=64&ca=6&su=0&li=0&si=0&sl=&pr=Rack%20Top%20Pack

Quem quiser ver outros alforges para bike é só clicar aqui:

Deuter – http://www.deuter.com.br/index.php?cat=bike

Ortlieb (muitos modelos diferentes) – http://www.ortlieb.com/index_white.php?lang=en&m1=0&m2=0&file=p-search.php

Ararauna (esses aqui são o sonho de muitos cicloturistas, inclusive o meu) – http://www.ararauna.esp.br/

Flower power

Foto: Cecília Estella

Em Penedo (RJ), uma bicicleta adaptada vira um pequeno jardim de flores.

Bicicletas e guarda-chuvas

Essa é pra quem está em Sampa. Deu vontade de ver!

Do site do SESI

http://www.sesisp.org.br/leopoldina/centrocultural/expoprinc.asp

A mostra Bicicletas e Guarda-chuvas é composta por 12 fotos coloridas que retratam os dois objetos, que aparecem ora juntos, ora separados nas composições contidas neste ensaio.

A exposição, que ficará em cartaz de 24 de maio a 11 de junho, estará aberta à visitação pública gratuita de segunda-feira a sábado.

O trabalho da fotógrafa Priscila Zambotto reúne imagens registradas em três cidades brasileiras diferentes: Santos (SP), São Paulo (SP) e Paraty (RJ). A técnica utilizada é somente a fotografia digital e o efeito artístico e de movimento da maioria das imagens é devido ao uso de baixa velocidade e de exposição.

Segundo a fotógrafa, a ideia deste tema surgiu na percepção de que vários fotógrafos tinham uma paixão pro bicicletas e guarda-chuvas. “Estes dois objetos, não por mero acaso, chegam a ser considerados fetiches por alguns fotógrafos, pois são realmente muito inspiradores e fotogênicos. Ou, talvez, porque sempre acrescentam uma pitada de charme e graça às cenas simples do cotidiano”, revela.

Um ano de Blog!

Viva!

E olha que o dia chegou. O “Até Onde” completa hoje um ano de vida! Pra celebrar, segue na íntegra o primeiro post desse blog com nome grande e endereço difícil. Obrigado a todos que já passaram por aqui!

Um grande abraço,

André

Pedalando até a Internet

24 05 2009

Já faz um bom tempo (por isso não me lembro com detalhes) que vi uma piada no programa “Casseta e Planeta Urgente”, onde um dos humoristas falava sobre internet. Tecia alguns elogios, e, ao final do quadro, aparecia “a Internet”, que era uma mulher. Me lembro que achei engraçado, pois percebi outras situações onde a internet era uma coisa, um lugar… “Preciso ir ali na internet”, “vai ali na internet e compra aquele livro que te pedi”. É como se a internet fosse uma locadora, uma padaria, uma escola. Na verdade ela é tudo isso e mais um bocado de coisas.

Então, como tava todo mundo indo, resolvi vir aqui na Internet também. Mas de bicicleta. Aqui vocês encontrarão alguns relatos de viagens, fotos, idéias, enfim… apenas mais uma extensão da bicicleta como estilo de vida. Apesar de pedalar há alguns anos, a idéia do Blog surgiu agora, aliado ao meu interesse de registrar por fotos e vídeos um pouco da vida sobre duas rodas. Vamos ver no que vai dar…

Abraços

Troca de pneus e pedal 200

Essa semana tive de trocar o pneu traseiro de Joelma. Apesar de fazer rodízio, estava muito gasto, após mais ou menos 4400 quilômetros percorridos. Como descobri isso? O pneu furou 5 (CINCO) vezes em uma semana. Nada contra as borracharias, mas foi a hora de abrir a mão e colocar um pneu novo. Pedalando agora é que percebo como tinha perdido em aderência, e até em segurança.

Problema do pneu resolvido, uma surpresa: ao chegar em casa ontem para registrar a pedalada no computador, vi que havia sido meu pedal de número 200 com Joelma. Não é atoa que ela vem pedindo um pouco mais de cuidado e investimento. Tenho trocado só o básico pra andar, mas o uso constante pede também um cuidado especial.

Dois momentos de Joelma...

... dos seus mais de 200 pedais.

E hoje, 201…

As primeiras bicicletas da Copa do Mundo de 2010

Seleção francesa realiza treinos em altitude para a Copa de 2010. Clique na imagem para ir à reportagem da Associated Press.

Que as bicicletas deles parem por aí.

Caloi e grande elenco!

Não consegui identificar o ano da propaganda. Acho que é final da década de 70, talvez início de 80. Alguém se habilita?

Passeio dos sonhos

Imagina só que beleza de cicloviagem… E que beleza de notícia!

Clique no link para ir para reportagem do Deutsche Welle

Entre  Oriente e Ocidente

Ciclovia vai atravessar 20 países ao longo da Cortina de Ferro

Regiões da Macedônia e Bulgária se unem para a construção de uma ciclovia turística ao longo da Cortina de Ferro. O percurso de bicicleta terá mais de 7 mil quilômetros.

Mais visitados

  • Nenhum
%d blogueiros gostam disto: